Sistema integrado de produção pode ser alternativa para intensificação do uso da terra

Ao longo das últimas décadas o agronegócio brasileiro cresceu e se transformou de maneira expressiva. A demanda é crescente por alimentos, bioenergia e produtos florestais. Por outro lado, existe a necessidade de redução de desmatamento e mitigação da emissão de gases de efeito estufa e, tudo isso, exige soluções que permitam incentivar o desenvolvimento socioeconômico sem comprometer a sustentabilidade dos recursos naturais. A intensificação do uso da terra em áreas agrícolas e o aumento da eficiência dos sistemas de produção podem contribuir para harmonizar estas situações.

Diante deste cenário, o sistema de Integração Lavoura – Pecuária – Floresta (ILPF) torna-se uma alternativa viável de produção para recuperação de áreas alteradas ou degradadas. A integração de árvores com pastagens ou com lavouras é conceituada como o sistema que integra os componentes lavoura, pecuária e floresta, em rotação, consórcio ou sucessão, na mesma área. Isso possibilita que o solo seja explorado economicamente durante todo o ano, favorecendo o aumento na oferta de grãos, de carne e de leite a um custo mais baixo, devido ao sinergismo que se cria entre lavoura e pastagem.

Continuar lendo

Pecuária é mais rentável quando tem o foco na intensificação da produção

De um lado a população mundial cresce e do outro, a área de produção de alimentos de origem animal, como a carne bovina é cada vez menor. Há quem diga que o Brasil passará de 181,7 milhões de hectares (ha) de pastagens, número registrado em 2011 para 176,3 milhões em 2022, perdendo assim 2,97% de área de pastagens. Diante deste panorama, a solução é intensificar a produção da pecuária investindo em setores como estação de monta, suplementação das matrizes, tipo de manejo e genética.

Independentemente do tamanho da propriedade, o maior desafio é a obtenção da lucratividade, capaz de remunerar os custos, assegurar novos investimentos e garantir a qualidade de vida do pecuarista. A intensificação pode ser definida como racionalização do uso dos recursos limitantes no processo de produção. E é claro que não existe receita certa para um sistema de produção ideal, pois cada propriedade e cada região possuem suas particularidades que devem ser levadas em consideração no processo de intensificação. Diante disso, é importante ter o auxílio de um profissional para elaborar a receita adequada para cada propriedade.

bovinocultura 1
Divulgação

Continuar lendo

Febre Aftosa: Produtores começam uma nova história na pecuária mato-grossense

Está prevista para o próximo ano e deve prosseguir até 2021 a retirada da vacinação contra a febre aftosa no rebanho de Mato Grosso e de todo o Brasil. Diante desse panorama, o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea-MT) pretende realizar campanhas de “atualização de estoques” do rebanho entre os pecuaristas. Atualmente, é por meio da declaração de vacinação, entregue pelos criadores a órgãos oficiais, que os governos estaduais e federal conseguem projetar o tamanho dos rebanhos. Sem a campanha da aftosa, a coleta de dados ficaria dificultada.

SONY DSC

Continuar lendo

Vantagens e desvantagens do confinamento e semiconfinamento

Confinamento e semiconfinamento são sistemas de alimentação para a engorda de bovinos muito utilizados no Brasil, principalmente no período de seca. É quando as pastagens perdem os seus níveis de qualidade e, consequentemente, não são capazes de fornecer os nutrientes necessários para que ocorra a nutrição adequada do animal. Em Mato Grosso, boa parte dos pecuaristas utilizam o sistema de confinamento ou semiconfinamento.

confi4

Continuar lendo

Preço da carne assusta mato-grossenses

Calma. Não, não é no Brasil e muito menos em Mato Grosso. Mas repare no preço dos cortes de carne das fotos nos supermercados americanos. O grupo que está em Missão Técnica Famato – Senar 2016 Cattlemen’s Day – Kansas State University ficou impressionado com o valor das carnes.  Observe que o valor está em R$ (Real) – ou seja – nossa moeda. Será que é isso mesmo, quase mil reais num pedacinho de carne? Bem, pelo menos é isso que diz a embalagem não é? E olhem o valor dos outros cortes. Por isso que os americanos ficam loucos quando chegam no Brasil e encontram aquela “churrascada”.