Antes de diversificar o negócio estude o mercado e planeje

Quando o produtor rural quer diversificar as atividades em sua propriedade, deve pensar em planejamento e vários outros fatores antes de começar o novo negócio, o que não é uma tarefa fácil. É preciso estudar o mercado, verificar se há viabilidade a partir do potencial de aceitação frente ao público e ter um plano de negócios. Mas não é só isso, também é necessário conhecer muito bem os consumidores e os fornecedores.

Começar uma nova atividade sem ter expectativa de como o mercado irá reagir em relação ao produto é um risco que pode acabar em prejuízos. A análise de mercado é um dos principais elementos do plano de negócio e, sem ela, é impossível conhecer as necessidades do público que se pretende atingir, o perfil da concorrência e os melhores fornecedores.

 

Esta análise é o processo de obtenção de informações sobre o mercado de

Continuar lendo

Falta capacitação no setor de classificação de grãos e isso preocupa o produtor

Um dos problemas que também tira o sono dos produtores rurais é a classificação de grãos. Em função disso, estão sempre em busca de capacitação, qualificação e treinamentos para os seus colaboradores. A ideia é ter uma pessoa que entenda do assunto para acompanhar a classificação feita pelas indústrias. Eles reclamam não só dos resultados da classificação, mas também da falta de mão de obra qualificada para atuar no setor.

O produtor rural Marcos André Bertol, de 35 anos, que produz 750 hectares de soja e milho, em Água Boa, conta que fez o treinamento de Classificação de produtos de Origem vegetal – soja e milho ofertado pelo Sindicato Rural em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (SENAR-MT) para ter condições de acompanhar de perto a classificação de sua safra. “Eu sempre tive muitas dúvidas sobre as avarias apresentadas”. Bertol acrescenta ainda que ao entender como é feita esta classificação fica mais fácil de contestar os descontos, caso sejam feitos de forma indevida.

Continuar lendo

Sistema integrado de produção pode ser alternativa para intensificação do uso da terra

Ao longo das últimas décadas o agronegócio brasileiro cresceu e se transformou de maneira expressiva. A demanda é crescente por alimentos, bioenergia e produtos florestais. Por outro lado, existe a necessidade de redução de desmatamento e mitigação da emissão de gases de efeito estufa e, tudo isso, exige soluções que permitam incentivar o desenvolvimento socioeconômico sem comprometer a sustentabilidade dos recursos naturais. A intensificação do uso da terra em áreas agrícolas e o aumento da eficiência dos sistemas de produção podem contribuir para harmonizar estas situações.

Diante deste cenário, o sistema de Integração Lavoura – Pecuária – Floresta (ILPF) torna-se uma alternativa viável de produção para recuperação de áreas alteradas ou degradadas. A integração de árvores com pastagens ou com lavouras é conceituada como o sistema que integra os componentes lavoura, pecuária e floresta, em rotação, consórcio ou sucessão, na mesma área. Isso possibilita que o solo seja explorado economicamente durante todo o ano, favorecendo o aumento na oferta de grãos, de carne e de leite a um custo mais baixo, devido ao sinergismo que se cria entre lavoura e pastagem.

Continuar lendo

Qualidade de vida é prioridade para o homem do campo

Assim como o produtor e o trabalhador rural têm buscado o aumento no volume de produção, da produtividade, conhecimento e inovações tecnológicas, ele também está em busca de qualidade de vida, mais saúde e segurança em seu trabalho. Programas de orientação, cursos e até projetos que levam serviços de saúde até às comunidades mais distantes das cidades tem ajudado cuidar da saúde e a melhorar a qualidade de vida deste público. Oportunidades não faltam e, em Mato Grosso existem dezenas de produtores rurais que oferecem diferenciais dentro da propriedade para gerar mais conforto e oportunidades para aqueles que vivem no campo.

Por meio do Ensino a Distância (EaD), o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR) oferece o curso de Prevenção de acidentes e melhoria de qualidade de vida. Os participantes têm o aprendizado prático e completo sobre a Norma Regulamentadora 31 do Ministério do Trabalho (NR-31), porque prevê quais as principais medidas a serem

Continuar lendo

Investir em boas práticas de armazenagem é garantir a qualidade do grão

Armazenar adequadamente consiste em manter a guarda e conservação dos produtos alimentícios de acordo com os padrões de qualidade. A armazenagem de grãos é parte importante do agronegócio, portanto, deve ser incorporada ao processo da cadeia produtiva, que vai desde o plantio até a comercialização e industrialização. Estima-se que no Brasil 20% da produção anual de grãos seja perdida entre a colheita e o armazenamento.

O Brasil nos últimos anos tem se destacado no comércio internacional como exportador de commodities agrícolas. E grande parte da produção de grãos do Brasil é destinada as cadeias produtivas de carnes, como é o caso da produção de milho estimada em 55 milhões de toneladas ano, em que 70% é destinada a avicultura, 24% à suinocultura, 4% à bovinocultura e 2% à alimentação humana e exportação. O Brasil apresenta crescimento da produção de grãos a cada ano, suprindo o mercado interno e ainda atuando no internacional. No entanto, a capacidade de armazenagem continua estática, muitas vezes não comportando toda a produção de grãos e, mais ainda, com a qualidade que o mercado exige.

Agricultura-0052
Rafael Manzutti 

Os equipamentos de armazenagem inseridos na unidade armazenadora de grãos é um dos itens essenciais para a garantia da qualidade demandada para a comercialização destes grãos. As pragas são os principais contaminantes dos grãos durante a armazenagem que comprometem a comercialização, pois é exigido que os grãos a serem comercializados, tanto no mercado interno, quanto externo, estejam isentos destes contaminantes, ou seja devem atender a um padrão de qualidade. Para tanto, na atualidade, são notórias as exigências dos consumidores finais e importadores quanto à qualidade físico-química, nutricional e sanitária de alimentos, o que às vezes são causas de barreiras comerciais quando padrões vigentes não são considerados.

Em Mato Grosso, quando o assunto é armazenamento de grãos, a história não é diferente do resto do Brasil. Apesar de ter uma histórico agrícola relativamente novo, o estado revelou ao país e ao mundo sua vocação para a produção de grãos e a cada ano surpreende com números recordes.  Líder nacional na produção de soja, milho, algodão e girassol, tem uma área plantada que cresce a cada ano. Isso acontece porque os produtores rurais, incluindo agricultores e pecuaristas, estão cada vez mais bem informados no que se refere às tecnologias para aumentar a produtividade e a produção.

Armazenagem - Baixa Resolução - Rafael Manzutti (16)
Rafael Manzutti 

Considerando a margem de segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) para Alimentação e Agricultura (FAO), que é de 20% em cima de tudo que se produz em grãos, em 2018, o déficit de armazenagem deve aumentar 38 milhões em Mato Grosso. O país tem capacidade para estocar até 157,6 milhões de toneladas, o que significa dizer que falta espaço para estocar mais de 32% do que já foi colhido, o que equivale a cerca de 75 milhões de toneladas.

Em Mato Grosso, os produtores buscam alternativas para armazenar o produto de forma adequada e mantê-lo com qualidade. A construção de armazéns nas fazendas é uma alternativa, mas para ser rentável é preciso que seja por meio de condomínio associação com vizinhos ou cooperativas formadas pelos agricultores. Caso contrário, o proprietário pode ter prejuízos ou uma preocupação a mais para manter a estrutura bem utilizada e sem causar prejuízo.

01.10-Secagem e armazenamento de grãos -Rafael Manzutti (19)
Rafael Manzutti 

O processo de armazenagem de grãos exige mão de obra qualificada. Diante desta  necessidade, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (SENAR-MT), oferece o treinamento de Classificação, armazenagem e preservação de produtos de origem agrossilvipastoril. Este curso tem como objetivo mostrar aos participantes como armazenar grãos e oleaginosas, granel e em sacaria.

O conteúdo, que tem carga horária de 40 horas, é bem intensa e inclui assuntos como unidades armazenadoras de grãos, planejamento da unidade armazenadora e impactos ambientais. Mas não é só isso, os participantes têm a oportunidade de conversar sobre riscos e acidentes que podem ocorrer durante o trabalho, infraestrutura de recebimento dos grãos e beneficiamento da unidade armazenadora.  Máquinas de limpeza, avaliação da qualidade dos grãos como características físicas, fisiológicas e sanitárias, métodos de conservação dos grãos, funcionamento de fornalhas e secadores, manutenção preventiva de unidades armazenadoras e até métodos de controle de pragas de grãos fazem parte do conteúdo.

23.01-Colheita da Soja - Rafael Manzutti - (64)
Rafael Manzutti 

DICAS – Confira algumas dicas para fazer uma armazenagem de qualidade.

Prepare os silos – o primeiro passo para ter grãos de qualidade é garantir que os armazéns estejam devidamente preparados para receber o produto. Limpe os silos e se livre de quaisquer resíduos que possam ter insetos. Além disso, verifique as áreas sob o piso. Elas podem ser um ponto de abrigo para os insetos se abrigarem até a próxima safra.

Grãos com qualidade – a condição dos grãos durante a colheita determina se ele ficará bem armazenado ou não. No caso do milho, se o produtor pensa em armazenamento de longo prazo é importante começar com milho maduro e de boa qualidade.

Teor certo de umidade – É preciso ter muito cuidado com a porcentagem de umidade na hora de armazenar. O ideal é consultar um profissional da área para não cometer erros.

Aeração – A distribuição adequada de finos com um “spreader” de grãos ou praticando a carotagem repetitiva melhorará a aeração. Um “spreader” de grãos pode ser usado em silos com menos de 14,5 metros para espalhar as partículas finas. É importante ter os itens finos espalhados no silo, para que nem todos fiquem no centro.

Odor diferente – A prática recomendada há muito tempo é checar seus grãos semanalmente, principalmente quando se tem temperaturas elevadas. É importante observar se há alguma crosta ou cheiro perceptível. Um aumento na umidade da superfície muitas vezes é o primeiro sinal de problema. Se houver algo de errado, ligue os ventiladores de aeração. Um silo com ventilador de tamanho adequado terá fluxo de ar suficiente para secar uma pequena camada de umidade no topo.

Insetos – Outro motivo para verificar os grãos frequentemente é a presença de insetos. Em temperaturas mais quentes, os insetos se reproduzem com uma velocidade muito grande e, em dois dias pode virar uma infestação.

 

Fonte: A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), Rural News, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ)